Sobre o porquê da vulnerabilidade

Ahh não gente, olha só que bênção de Deus!

download (1)
Santa Marta é patrona dos cozinheiros!!! Olha só que coincidência (providência)!
Ok, vou explicar. Delimitando minhas paixões através do “Mapa da Paixão”, cheguei a essas top 5:

Lista das Paixões-2

E estava eu aqui na angústia de como criar um negócio dessas 5 paixões, algo que ajude as pessoas, que me motive, que seja rentável, enfim, o melhor dos mundos! Mas em todo esse processo de auto-conhecimento que estou tendo, estou descobrindo um lado negro da força que reside em mim, um lado que pode ser destrutivo, um espinho na carne, como diria São Paulo, ou um dragão, como bem ilustrou Pe Domingos Cunha no seu curso de eneagrama. Gostei dessa imagem do dragão. Uma figura tão forte, tão bela, tão poderosa. Existem duas grandes imagens de santos com dragão, São Jorge, que matava seu dragão todo santo dia, lutava com ele e vencia! Grande campeão! Grande perda de tempo! E Santa Marta, que domesticou o seu dragão e com isso ganhou um poderoso guarda-costas. Amei essa ideia de Santa Marta! Confesso que antes do curso nem a conhecia. Então, como bom tipo 1 que sou fui pesquisar, e me deparei com imagens lindas de Santa Marta, com seu poderoso dragão aos seus pés, sorrindo, dócil, com uma coleira. Imagine o poder desse guarda-costas, desse bichinho de estimação. Imagine como é andar pelas ruas e se sentir segura e confiante sabendo que nada pode te atingir, você tem um vigilante ao seu lado. Noooosa, achei fantástico!

Mas peraí, esse texto não era sobre o poder da vulnerabilidade, você não ia falar sobre ser gentil e amorosa, abraçar seu lado feminino, se permitir chorar e ser incompleta, se permitir ser vulnerável, passível de erro, incompleta, incapaz? Sim, realmente. A sacada é que Santa Marta teve que se mostrar vulnerável para seu dragão, para poder domesticá-lo. Como a raposa do pequeno príncipe, ela teve que sentar longe primeiro, depois cada dia mais perto, depois oferecer uma comida, ir aos poucos fazendo um carinho, até que o animal aceitasse sua presença, sua ajuda, sua amizade. Ela não podia chegar mandando no dragão, gritando que eu sou mais forte e quem manda aqui sou eu! Ia adiantar? Ela não era mais forte, o dragão ia destruir a coitada! Ela precisava se mostrar pequena, menor que o dragão para que ele confiasse nela, para que ele não se sentisse ameaçado.

O segredo é você assumir sua vulnerabilidade num processo de crescimento pessoal, assumir pra você mesma, pro seu dragão, que é só uma parte de você, da sua personalidade. Assumir que tem dia que você está triste, e não tem nada de errado com isso. Tem dia que você está cansada, e também não tem nada de errado com isso. Quando você nomeia o sentimento, assume que ele existe e não tenta brigar com ele, ele se torna menor, mais dócil, mais fácil de digerir, de conviver. E de repente, quando você vê, seu dragão estará domesticado, seus pontos fracos se tornarão seu forte, porque ninguém poderá lhe atingir neles. Você já os conhece. Você os assume e os abraça. Você sabe que você é mais você por causa deles. Pra cada um o dragão é uma coisa diferente, cada um tem um ponto fraco, tem uma vulnerabilidade diferente, e cabe a você perceber, sentir, domesticar o seu dragão.

Se você não o fizer, ninguém o fará por você. Se você tomar as rédeas de seu dragão, de seus sentimentos, de seus pensamentos, você estará tomando as rédeas de sua vida. Ao montar no dragão você se tornará invencível, mestre de si mesma, mestre de seu destino, de suas escolhas, de seu dia e de seu futuro. Todo esse empoderamento começa no assumir sua pequenez. É um processo difícil, mas libertador.

E no meio do assumir meus sentimentos, no processo de aceitar e fazer carinho no meu dragão, acabei descobrindo que minha nova ídala, Santa Marta, conhecida em inglês como Saint Martha of Bethany, foi capa da primeira edição do Joy of Cooking, da Irma Rombauer, livro que aparece inclusive no Julie e Julia (talvez seja uma referência mais fácil aos que não são tão fanáticos por comida como eu).

Sinto cheiro de mudanças e de comida gostosa pelo ar!!!

  • marciarforte

    Parabéns pelo excelente texto . Amei conhecer Santa Marta, e sua analogia a respeito do nosso dragão , e a importância em domestica-lo e não guerrear todo santo dia. Muito obrigada. eu cresci com suas palavras .
    Grande beijo,

    M.

    • Obrigada pelas palavras, Márcia!!! Vamos crescendo juntas, todo santo dia!!!

  • Tabada Carolina Nunes

    lindo!! muito bom!!