Empatia consigo mesmo – pratique!

 

Gente, quando foi a última vez que vocês se ouviram? Se ouviram mesmo, de verdade? não tô falando de escutar sua própria voz ao telefone ou o eco no Grand Canyon, muito menos das vozes da sua cabeça que não te deixam raciocinar (eu hein?!), mas tô falando de dar atenção pras suas necessidades!

Precisamos cuidar de nós mesmos, ouvir nossas angústias e nossas felicidades, ouvir nosso corpo quando ele pede água, quando pede repouso, e não ficar naquela atitude eterna de “shake it off”, ou “agora não tenho tempo pra isso” e deixar você mesma pra depois. Mãe nenhuma sabe do que eu tô falando não?

Tá lá você no meio do banho quando de repente o bebê chora (ou você ouve um choro – falarei em outro post sobre o chuveiro dos choros imaginários) e de repente sai você correndo do box, mal dá tempo de pegar a toalha pra se enrolar, cabelo ainda cheio de shampoo, pra acudir o bendito bebê. Quem nunca?

Seja numa refeição que é comida fria porque a papinha tem que ser dada quente, seja num filme que você queria ver mas acabou colocando Dora – a aventureira no netflix. Seja lá onde for, ou com quem for, parece que sempre de vez em quando a gente deixa as nossas próprias necessidades de lado, pra atender as necessidades do outro. girl-878936_1920

Interessante que quando estamos em um avião a moça sempre fala pra em caso de emergência colocarmos a máscara de oxigênio em nós mesmos primeiro, antes de colocar a máscara numa criança ou outra pessoa incapaz que esteja do nosso lado. Porquê isso? Porque se você não cuidar de você mesmo primeiro, serão dois desmaiados no avião!!!

Precisamos estar atentos às nossas próprias necessidades, físicas, emocionais, espirituais! Mas isso pode ser mais difícil do que parece à primeira vista.Infográfico- Exercício de auto-empatia (1)

Estava assistindo o webinário da Carolina Nalon, conhecida pelo seu programa Caminho da Comunicação Autêntica (sem patrocínio, a mulher é boa mesmo!), e ela fala exatamente disso, de você mostrar empatia consigo mesmo, ouvir você mesmo. Em determinada situação, não ficar só no ciclo de pensamento, jogando a culpa pra lá e pra cá…

Empolguei com o exercício e fiz um infográfico rápido, pra me lembrar sempre desse ensinamento tão valioso! Compartilho com vocês pra download livre aqui!

Ela fala que quando saímos da cabeça e descemos pro coração, pros sentimentos, e depois analisamos nossas reais necessidades, vemos que todos somos muito parecidos, todos nós queremos ser felizes, queremos ser amados. Uns de um jeito, outros de outro. Isso gera conexão!



Fazer esse exercício me ajudou muito a enxergar algumas verdades minhas e a ter mais paciência comigo mesma. Entender as minhas reais necessidades me fez acalmar o coração e buscar novas formas de atender essas necessidades, formas que gerassem menos conflito. E assim vamos caminhando, nos descobrindo, e nos redescobrindo!

Vale a pena assistir ao webinário e pegar a explicação toda dela! #ficaAdica! inté!

 

  • Rafaela Araújo

    Dani,
    Muito lindo esse texto!
    Lógico que super me identifiquei.
    E a do chuveiro foi muito boa!
    Depois que o Inácio nasceu, acho que nunca mais tomei banho sem ouvir um choro de fundo.
    Beijosss e seguimos

    • kkk né? faz parte…

  • Muito bom esse artigo ,top!